TRAIU O CORNO COM PEDREIRO, DANDO A BUNDA.

TRAIU O CORNO COM PEDREIRO, DANDO A BUNDA.
Oi meu nome é Mayuri sou casada há 8 anos, e até aquele dia nunca havia traído meu marido nem mesmo quando éramos noivos.

Eu sou oriental, tipo gostosa; seios médios e bundinha arrebitada, olhos castanhos e pele branquinha.

Tempos atrás eu marido resolveu fazer uma pequena reforma na nossa cozinha, e chamou o pedreiro de confiança dos seus pais, o Seo José para fazer o serviço.

No dia combinado como de costume toda manhã eu tomei o café com meu marido e como sempre eu estava bem à vontade com uma roupinha de dormir com shortinho transparente e uma calcinha fio dental.

Terminamos o café e me despedi do meu marido e voltei para a cozinha, 5 minutos depois a campainha toca achei que era o Wilson, meu marido, pensei que ele tinha esquecido alguma coisa e a chave de casa como de costume, para a minha surpresa quando abri a porta naqueles trajes era o Seo José 1 hora e meia adiantado, fiquei vermelha de vergonha, ao me deparar com aquele homem negro e já com uma certa idade, ele aparentava uns 65 a 70 anos.

Ele me deu um bom dia em um tom malicioso e eu meio sem jeito respondi, ele me perguntou onde era o serviço eu disse a ele que era na cozinha mostrando o caminho para ele, que gentilmente me disse, as damas primeiro, tenho certeza que foi para ir atrás de mim olhando minha bunda com a calcinha enterradinha.

Fui na frente dele vermelha de vergonha e imaginando como ele estava se deliciando vendo minha bunda que modéstia parte é deliciosa e da forma como eu ando rebolando ele devia estar delirando.

Mostrei pra ele o lugar e perguntei por que ele havia chegado tão adiantado e fiquei sem resposta, então perguntei se eu poderia usar a pia e ele disse que não, então peguei toda a louça do café e levei para a área de serviço e pude perceber que ele me comia com os olhos foi quando resolvi brincar um pouco com a situação e propositalmente deixei cair uma colher no chão e me abaixei para pega-la, e pude ver que ele deu uma boa olhada fui para a área de serviço e comecei a lavar a louça e resolvi arrebitar mais minha bundinha.

Foi quando senti aquelas mãos ásperas nas minhas pernas e seios, estremeci toda ele me encoxava me apertando contra o tanque e sussurrou no meu ouvido você esta louca por uma rola não é, mas puta casada como você eu só como o cuzinho, senti um misto de tesão e medo eu nunca tinha traído meu marido tão pouco feito sexo anal.

Pedi que saísse dali e me respeitasse afinal era uma mulher casada e tentei me desvencilhar mas ele pressionou meu corpo contra o tanque e foi colocando peso nas minhas costas fazendo ir com meu corpo pra frente e arrebitando mais a bundinha.

O safado começou a morder minha orelha, meu pescoço e eu pedindo que parasse pois aquilo não era certo e ele nem me deu ouvidos e foi continuando e sua mão entrando pelo interior do meu shorts até tocar minha bocetinha que a esta altura estava molhada de desejos e foi manipulando meu clitóris enquanto mordia minhas costas e eu já gemia de tesão na mão daquele crioulo quando não aguentei mais e gozei gostoso enquanto Seo José falou:

– Agora sim vou trabalhar tranquilo pode ir descansar patroinha.

E me soltou, fui toda envergonhada para meu quarto e me deitei pensando na besteira que acabara de fazer e decidi que repreenderia o ousado pedreiro depois do almoço e naquele estado de pós orgasmo acabei adormecendo sem perceber.

Acordei com alguém me despindo e a me lamber todinha, tentei me desvencilhar mas tomei um tapa forte na bunda e quando dei por mim eu ainda estava de bruços com o pedreiro de meu marido com a cara enfiada no meio da minha bunda enquanto chupava minha xoxotinha, não aguentei e comecei a ceder até que acabei pedindo:

– Me come Seo José, mete em mim logo vai…

Ele sem demorar me colocou de joelhos abriu o zíper da calça tirou aquele pau meio mole e enrugado pra fora dizendo:

– Puta que se preze tem que chupar!

E enfiou a rola na minha boca eu comecei a chupar como uma desesperada ela foi endurecendo conforme eu chupava e quando já estava totalmente dura, eu quase não conseguia chupar mais pois era tão grande e grossa eu nunca tinha visto um pau como aquele então.

Ele me colocou de quatro, colocou a cabecinha bem na portinha da minha xoxota me segurou pelos cabelos e meteu com toda força parecia que minha bocetinha oriental ia rasgar eu gritava de dor e conforma ele metia, o pau do meu marido não dava metade daquele pinto, eu ia me acostumando e a dor foi dando lugar a um prazer tamanho que eu rebolava e gemia como nunca e acabei gozando enquanto ele metia cada vez mais forte eu sentia algo escorrendo pelas minhas coxas minhas pernas estavam amolecendo.

Ele metia e dizia ‘a puta tá gostando hein, até gozou!’ cadela que bocetinha gostosa de repente ele parou me mandou ficar de joelhos novamente me segurou pela cabeça e mais uma vez meteu o pau na minha boca me fazendo chupar ate ele gozar na minha boca.

Parecia que aquele homem não comia ninguém a muito tempo porque era tanta porra que escorria pelos cantos da minha boca depois de gozar ele me mandou abrir a boca e mostrar a porra pra ele eu comecei a brincar com a porra na minha boca como se fosse um chiclete depois de brincar um pouco ele me mandou engolir então ele simplesmente guardou o pão fechou o zíper e me largou nua no meu quarto dizendo para eu me preparar que me comeria todos os dias durante a reforma..
deleted

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir