Meu marido e um amigo

Meu marido e um amigo
Há alguns anos atrás, entrei para trabalhar no departamento de vendas de uma empresa revendedora de consórcios. A empresa era conhecida na praça, só que o pessoal da equipe não tinha nada de equipe. Não só por rivalidade, mas porque como todos são vendedores externos acabam não conversando e se conhecendo muito. É uma empresa meio “fria” (nada de happy hour, churrascos, etc).

Após seis meses trabalhando lá, resolvi tentar “melhorar” a situação de alguma forma, e perguntei ao meu marido se ele achava que seria bom chamar o pessoal da empresa para um churrasco ou algo do tipo. Ele achou ótima a ideia, e até sugeriu uma Chácara de um conhecido para o local do evento. Achei perfeita a sugestão! (A Chácara era enorme e tinha uma ótima estrutura, com piscina, churrasqueira, casa grande toda completa, com 4 quartos, sendo 2 suítes e não ficava tão longe da cidade: 20km).
Resolvi chamar o pessoal, e ficou marcado para um sábado no mês seguinte. Como a casa tem tudo, até sugeri que quem quisesse poderia pousar lá na sexta feira e ficar sábado o dia inteiro, alguns gostaram da ideia e ficaram de falarem com as esposas/maridos.
Chegou o dia. Na sexta-feira, cheguei mais cedo em casa e como havíamos combinado aceleramos para a chácara para limpar tudo. Chegamos lá, tiramos todas as coisas do carro, e para nossa infelicidade a casa estava bem mais suja do que imaginávamos. Fazia mais de um mês que ninguém ia lá. Foi uma verdadeira luta, enquanto eu limpava os quartos e tudo lá dentro, meu marido foi limpando a piscina, lavando todas as calçadas, churrasqueira, grelha, e tudo mais. Demoramos umas duas horas para limpar tudo, quando terminamos já era quase 20h. Acabei levando um susto quando vi o horário, e disse que precisávamos tomar banho e acender a churrasqueira, pois logo o pessoal ia chegar.
Meu marido perguntou quem viria para pousar ali hoje, e respondi que amanhã viria praticamente todo mundo, agora hoje ficaram de vir dois casais e dois rapazes lá que iam levar baralho para a gente jogar. Corremos tomar banho, e meu marido assim que saiu foi pegar o carvão na dispensa e acender a churrasqueira. Sai do banho com um short branco curtinho e uma blusinha colada ao corpo, e fui preparar umas caipirinhas para deixar tudo pronto. Sentamos na área, liguei o som em um volume baixo, e ficamos sentados na rede conversando. Estava um vento gostoso, sem calor e nem mosquitos (que costumam atormentar lá), uma noite legal. Ficamos conversando, conversando, mas eu estava inquieta pois ninguém chegava, deu 21h, 21h30, 22h e nada de ninguém. Fiquei bem desanimada e meu marido também ficou muito frustrado, afinal, foi uma correria danada para limpar tudo aquilo! Quando as 22h40 ouvimos o som de um carro, e meu ânimo voltou, disse aliviada: – Até que enfim… Fomos receber, e vimos que era um automóvel Corsa branco, e desceu um rapaz sozinho, era o Manoel disse ela. Cumprimentamos-nos e logo perguntei se ele sabia das meninas que iam vir? Ele respondeu que não sabia, mas que falou com uma (a Fernanda) e ela disse que o marido preferiu ir só no sábado na hora do almoço, pois tinha algumas coisas a fazer. Fiquei decepcionada, e meu marido logo emendou dizendo que talvez elas estivessem para chegar, e que se não viesse, a cerveja e a carne nós tínhamos ali e estaria bom do mesmo jeito! O Manoel concordou e fomos entrando na área em direção a churrasqueira. Esse Manoel é meio estranho, negro, 40 anos tipo quietão, nada bonito, anda meio desengonçado, sei lá, sem tipo. O povo da empresa fala que depois que a esposa largou dele a dois anos, ele ficou totalmente desconcertado da vida e meio depressivo. Porém, meu marido foi conversando com o cara, e entre uma cerveja e outra e a carne ele foi melhorando no meu conceito. Comemos, bebemos, e deu 00h00 e nada de ninguém. Fiquei nitidamente abatida, realmente frustrada. Mas meu marido tentava nos animar, e então nos chamou para darmos um pulo na piscina, para brincar um pouco, e curar a cerveja!
O Manoel ficou meio assim, mas disse beleza. Eu não animei, disse que a água estaria fria, e que estava ventando frio já. Meu marido retrucou: “Que frio, que nada amor! Deve estar ótima!” Ele saiu correndo, desceu as escadas, tirou a camisa e pulou! Percebi que ele teve uma péssima surpresa, a água estava realmente gelada! E o vento piorava. Nisso gritei: “-E ai, como ta?” Ele não querendo dar o braço a torcer, e não ser o único a ficar ali, disse: “-Está ótima, vem amor! Vem Manoel!” Ele disse que ia pegar um short no carro e já ia, meu marido insistiu mais algumas vezes e eu resolvi ir pegar o biquíni e vir.
O Manoel voltou, já com o short e pulou na água, e tomou um susto, e disse rindo: “-Tá frio aqui!…” Meu marido riu e disse: “-Não… logo melhora, é o corpo que tem que acostumar um pouco.” E deu risada novamente. Ficaram ali uns minutos, quase tremendo quando eu apareço, descendo as escadas com o biquíni branco e azul, que é do tipo cortininha. Bem pequeno (na verdade é mais para tomar sol só), meu marido assustou na hora, não imaginou que eu ia colocar justo esse biquíni que é um dos menores, ou o menor que tenho, mas mesmo assim não disse nada.
Meu marido percebeu quando o Manoel deu-lhe uma “comida com os olhos” em mim. Fui até direção do meu marido e pedi para ele me segurar que eu iria pular. Coloquei a mão nos seios para o biquíni não descer na água, e pulei bem tímida. Quando cai na água, levantei rapidamente, arrumei o cabelo e o biquíni e olhei para o meu marido com um cara de quem queria matar ele e disse alto: “-Está boa a água?! Vou morrer de frio aqui! Ta congelando!” Meu marido e o Manoel caíram na risada, e meu marido disse que logo passaria o frio, que era só acostumar um pouco.
Ficamos alguns minutos nadando e conversando e eu estava realmente com frio. O queixo tremia e os seios; dava para notar um leve relevo nos bicos, que estavam completamente duros. Para amenizar aquele frio todo, resolvemos inventar algum tipo de brincadeira. Como não havia nenhuma bola ou rede de vôlei, após algumas idéias, acabamos inventando um “Policia e ladrão”. Onde uma pessoa era policia e os outros dois os ladrões, e a policia tinha que prender o ladrão e algemar as mãos (ficticiamente, claro). E começamos a brincadeira, que foi ficando bem animada!
Meu marido, claro, sempre se aproveitava da situação e ficava me encoxando, passava a mão na minha bunda (por cima do biquíni) e nos seios, e eu dizia baixinho: “-Safado, descarado!…”
O frio foi passando e a brincadeira ficando cada vez mais quente. Comecei a perceber que o Manoel parecia também querer tirar uma casquinha quando ia me prender. Ele se roçava demais, e me segurava forte também. E cada vez mais ele ia perdendo a timidez na brincadeira. Percebi que aquela cena deixou meu marido irritado/com ciúmes, porém, um flash me passou pela cabeça e lembrei da fantasia de transar a três. Emendei o pensamento com o fato de estamos sozinhos ali, que ele iria posar ali, e que talvez, muito talvez, pudesse até rolar.
Comecei a pensar naquilo e fui ficando com tesão,e percebi que meu marido também , pois apesar do ciúmes seu pau estava nitidamente duro com aquela situação. Só para provocar o Manoel, meu marido começou a ser mais ousado; nas encoxadas e passadas de mão nos meu seios, ele claro que via aquilo e deveria ficar louco. Ficamos ali quase uma hora, e o vento aumentou muito e o frio já estava insuportável. Comecei a reclamar, e disse para nós sairmos dali. Meu marido concordou, falei para nós tomarmos banho e irmos à sala ver Altas Horas, ou algum filme. O Manoel concordou também, e fomos em direção a escada sair da piscina. Eu estava na frente e fui a primeira a subir a escala, e sinceramente quase matei os dois que vinham atrás!Fui subindo devagar, com aquele biquíni todo enfiado! Meu marido ficou nitidamente desconcertado e o Manoel que estava um pouco atrás deve quase ter infartado. Me enrolei na toalha e sai correndo em direção ao banheiro do nosso quarto, meu marido foi logo atrás e mostrou o quarto e banheiro que o Manoel poderia usar.
Chamei então meu marido para mudar a posição do chuveiro para inverno e me ajudar a desamarrar o biquíni. Meus seios estavam com o bicos super duros, não sei se de tesão, frio ou os dois juntos. Eu estava louca de tesão, entramos na água quente, e meu marido com a voz em tom de brincadeira, disse: “-Você é muito safada amor, quase enfartou eu e o Manoel com esse aquele biquíni.” Eu ri e disse que não, que nem era gostosa a esse ponto. Ele retrucou, e disse: “-Meu pau estava quase estourando o short, com certeza o do Manoel ficou igual. Quando estávamos brincando você não sentiu nenhum volume dele?” Eu ri mais ainda e, de forma um pouco acanhada, respondi que senti sim. Ele ri, e disse: “-Viu só, estava certo! Safadinha…” e já emendou, falando: “-Sabe, quando estávamos lá brincando lembrei-me daquela nossa fantasia de sexo a três, se não fosse tanta loucura, hoje seria o dia perfeito né? Acabamos ficando só nós três aqui…” Fiquei muda alguns instantes, pensativa, e não respondi. Ele seguiu adiante e começou a me beijar, enquanto com a mão direita foi descendo pelas costas até sua bunda, massageando o meu cuzinho, foi quando que comecei a gemer mais forte, ele parou um pouco e disse: – Imagina só nos dois “buraquinhos” hein?!” “-O que você acha amor, a gente realizar essa fantasia hoje? O Manoel é confiável?” Eu fiquei em silêncio algum tempo, pensativa, e disse que: “-O complicado é que ele era do serviço dela, e poderia falar para alguém e de repente isso poderia acabar com seu emprego…” Ele perguntou então: “Ele é do tipo que fica falando um monte, contando vantagem com todo mundo, ou é quieto na dele? ” Respondi que: “Ele é bem quieto, quase não conversa com ninguém lá.” Meu marido tentando achar uma solução, disse que poderia dar uma “prensa” nele, e o mandar ficar de boca fechada… Acho que o tesão era tanto, eu logo concordei. Meu marido terminou o banho rapidamente, se trocou e foi para sala.
A sala é bem ampla, possui dois sofás grandes, (sendo que um é sofá-cama) e é ligada diretamente com a cozinha, sendo dividida somente por um balcão do tipo “cozinha americana”. Os dois sofás ficam de frente para a cozinha, e a TV fica no canto deste balcão. Quando ele chegou à sala o Manoel já estava lá, deitado tranquilamente no sofá-cama, e vendo o altas horas, da Globo, então deitou-se do outro lado do sofá-cama, deixando o meio “livre”. Ficaram ali vendo o programa, e ele começou elogiar as gostosas que apareciam, e o Manoel entrou na “brincadeira” e começou a falar mesmo, e disse que há pouco tinha aparecido uma na platéia que era gata demais!
Já havia passado uns 25 minutos quando eu apareço no corredor, paro alguns segundos na porta da sala para ver a TV, e fui em direção a geladeira. Não sei se devido á iluminação, mas meu pijama parecia transparente. Coloquei uma calcinha fio dental por baixo, e era a única coisa que parecia ela estar usando. Os seios ficavam completamente desenhados na blusinha, e dava para ver nitidamente os biquinhos. O short mesma coisa, parecia estar só de calcinha O Manoel olhou de relance e travou o olhar em mim! Ele ficou completamente desconcertado, e voltou rapidamente olhar a TV. Fiquei enrolando na cozinha, e os dois disfarçadamente ficavam me secando. Meu marido então me chamou para ver TV, pois estava interessante o programa. Eu fui de frente para ele, e só para provocar ainda mais parei e fiquei olhando para a TV com cara de desinteressada. O Manoel olhava para mim hipnotizado, acho que deveria não acreditar na situação. Meu marido me chamou mais uma vez para deitar e, nisso, o Manoel disfarçou novamente olhando para a TV, e eu deitei com a cabeça no ombro do meu marido, e com as pernas e bunda, viradas para o Manoel. Meu marido de canto de olho ficava vendo a reação dele. O cara estava completamente perdido. Não sabia se olhava para a minha bunda, ou para a TV. Se disfarçava ou olhava de vez. Ele foi ficando de pau duro, claro, e tentava esconder, sem jeito, pegou o lençol que estava nos pés, e se cobriu até a cintura. Eu aproveitando disse que também estava com um pouco de frio e me cobri junto, e ao me arrumar, fui um pouco mais para o lado e encostei a bunda e as pernas nele. O Manoel ficou sem ação, travado. Meu marido resolveu provocar um pouco mais, e comecei a me beijar e a me acariciar, e ele só olhando atento. Ele foi passando a mão nos meus seios, e puxando a blusinha do pijama para cima para tirar logo, mostrando meus seios empinados e já duros de excitação, desceu um pouco e caiu de boca neles.
O Manoel estava parado como uma estátua, sem saber o que fazer então tomei uma pequena iniciativa e fui passando a mão nas coxas dele; próximo à virilha, ele então jogou o lençol para fora, e foi abaixando o short, e direcionando a minha mão de encontro com seu pau, que estava totalmente duro. Eu, de certa forma tímida, fiquei punhetando de leve o pau do Manoel. Meu marido parou de chupar os meus seios e lentamente foi tirando o meu shortinho, me deixando só de calcinha , com a mão esquerda ele passou a me masturbar lentamente por cima da calcinha e sentiu que eu já estava toda molhadinha.
O Manoel já ensaiava pegar nos meus seios e começou a massagear com tesão as aréolas e a beijar e morder meu pescoço e orelha. Meu marido num rápido impulso puxou e tirou minha calcinha e eu então me virei de costas para o Manoel e de frente para ele e coloquei minha coxa sobre o quadril do meu marido, enquanto alisava minha coxa o Manoel grudou o peito dele nas minhas costas, mordiscou minha orelha e com os dedos penetrou completamente minha vagina ensopada, percebendo a situação el não perdeu tempo, aproximou seu pênis e sem muito esforço me penetrou. Ele me penetrando na posição de ladinho e eu aproveitei para beijar meu marido.

Eu estava em tremenda excitação, punhetava meu marido enquanto era penetrada pelo Manoel, foi então que enquanto era penetrada guiei o pênis do meu marido com a mão até minha vagina já preenchida, ele percebeu que eu queria algo mais, uma loucura, o Manoel parou de se movimentar e permaneceu com o pênis dentro de mim, eu com as mãos guiei o pau do meu marido até sua vagina enquanto o esfregava nos lábios vaginais já preenchidos por outro cacete, então parei e comecei a empurrar o cacete dele contra o do rapaz tentando forçar a entrada de mais um cacete em mim! Meu marido não acreditou naquilo que eu queria, eu transbordava tesão! Ele movimentou-se e começou lentamente a forçar a entrada que aos poucos foi cedendo, puxou minha perna mais para cima do seu corpo para arreganhar mais sua vagina e lentamente forçava seu pau que foi entrando, o tesão era de mais!… Eu estava estremecendo num gozo e eles começaram a se movimentar… nesse momento eu era o recheio com dois cacetes em minha vagina. Fui à loucura quando o Manoel deslizou as mãos por entre as minhas costas chegando até minhas nádegas e com o dedo médio penetrou meu cuzinho, comecei a gemer num gozo beijei loucamente meu marido e os dois gozaram loucamente dentro de mim…AAhhhhhhhhh!!!!!!! …
Ficamos aproximadamente 10 minutos descansando, até que eu levantei e convidei todos a tomarem banho na suite.
Tomamos o banho e só acordamos no outro dia ás 10h, assustados, pois o pessoal já deveria estar chegando.
Não tocamos mais no ocorrido com o Manoel e nós seguimos nossa vida e ele a dele.

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir